Natureza Morta



Todos têm um quadro desses:

Parado, em cima de um móvel

Ou sob o coração, imóvel

Senão numa grande parede!


Um belo vaso de flores

Sobre a mesa, estático

E dentro artigos de plástico

Contendo mortos amores!




"Vaso de flores", Guignard, 1931.


8 sorveram o néctar:

Ana disse...

Ah!Que singular.que belo!
Há tantos vasos de flores em mim!
Adorei teu espaço!!

Beijos poéticos!
rsrs

Ariane disse...

Olá, Ana! Fico feliz que tenhas apreciado! Te oferto, então, flores, não de plástico, não em vasos, mas em um jardim perfumado!

Outros beijos de poesia!

Maria Flor disse...

Olá,

olha eu por aqui também! Adorei esse cantinho!!!

beijocas,

flor.in

Ariane disse...

Olá, Flor! Espero que neste canto se aconchegue, que seja um espaço de deleite e muito aproveite! Obrigada pelo carinho, querida! Seja bem-vinda!

David Monsores disse...

Olá! novamente!

"Todos têm um quadro desses:
Parado, em cima de um móvel
Ou sob o coração, imóvel"

"Ou sob o coração, imóvel."
Kra, isso foi de extrema beleza, muito sútil e profundo!

BeijO!

Ariane disse...

Que bom, David... São esses comentários que me motivam, me movem e dão alegria! Muito feliz de traduzir alguém em poesia! Até mais!

Compulsão Diária disse...

Esta natureza morta é poesia viva!
Uma das coisas mais belas que li. As flores de plástico, os amores e os vasos. Curioso, nunca vi esses vasos como natureza morta. E são, vc tem razão. Aliás, vc fala sobre arte em seu outro blog. Percebo que sabe e discorre com intimidade sobre o tema. E que me encanta também.
Parabéns por ser, Ariane.

assim que eu aprender como faz pra linkar o post a um blog externo , ficará a sua natureza morta na minha , ok?

Ariane Rodrigues disse...

Ok Compulsão! E obrigada!