Essa parte que cala


Essa parte rígida que cala

Em mordaça apaziguada

É também adaga que transpassa

Os espaços contidos n'alma.


Essa parte fria que cala

É vão adormecido em calhas

Animal contido em jaula

Flor que não mais exala.


Só não me peçam para negá-la

Pois que em cruz já esteve ilhada

Não poderia mais abandoná-la

No leito escuro das valas!




"Philosopher in Meditation", Rembrandt, 1632.

6 sorveram o néctar:

Pietro disse...

Ariane, mi spiace non sapere il portoghese e quindi non poter gustare appieno la tua bellissima poesia. La leggerò con calma offline per poterne cogliere le sfumature.
Mi piace la tua idea di inserire in ogni post un quadro d'autore: li scegli molto bene.
Ti auguro un'ottima settimana!

(l' excessive) disse...

Rembrandt é um dos meus preferidos e esta tela em particular, está na parede de minha sala.
beijo, amiga

Ariane Rodrigues disse...

Pietro, lasciami contenta per visitarmi sebbene non hai capito le poesie. Con l'immagini si può aggiungere pìu su significato...
Bacio!
Buona settimana!

Ariane Rodrigues disse...

l'excessive, então és feliz e afortunada! É realmente uma tela belíssima!
Outro beijo, querida!

J.F. de Souza disse...

Guardo as cinzas
esperando que ressurja
fênix

---------------------------------
Isso me tocou de forma estranha...

E me deu uma chama. =)

Há de surgir um escrito novo! Finalmente! =D

=*

Ariane Rodrigues disse...

Ahh que bom JF! Quer dizer então que tens uma fênix em gestação!Talvez seja a tua parte que cala tocando a tua parte que fala...