O poema e a cigarra


A cigarra

com sua bocarra

algo anunciava pela madrugada.


O poema por sua vez

no travesseiro de pena

deitava a chuva que ela anunciara.




"Golconde", Magritte, 1953.


14 sorveram o néctar:

Noslen ed azuos disse...

Olá menina das poesias, estou voltando depois tempos, aos pouco vou me atualizando.
Muito louco este trabalho de Golconde; me lembrou uma piadinha boba de homens tal qualmente bobos:
“Sou tão azarado, se chover mulher cai um homem na minha cabeça“.

Bjs
ns

Philip Rangel disse...

Hehehhee...gostei parece o da cigarra e da formiga..hehehe

Ariane Rodrigues disse...

Olá Ns! Que bom que voltou!
Pode se lembrar também do "...It´s raining man, aleluia...! Rs

Mas esta obra do Magritte, para mim, reflete algo bem profundo como a integração do homem à natureza, a confusão entre eles, melhor dizendo, a fusão dos seres, onde não há nada que contenha, está tudo contido... Esse é um aspecto também presente em outras telas. Bjs

Ariane Rodrigues disse...

Oi Philip! Legal você ter lembrado desta estória. A coitada da cigarra ficou meio "marcada" com esse papel né? Fico aqui tentando ver por tua ótica. Abraço!

Gabriel disse...

É tão bom ver poetas, e ainda mais, quando são tão assíduos como a senhoritam que até sou suspeito para falar.

A cigarra que canta e anuncia, poeminha singelo, mas gostei.

Apartir agora estou acompanhando o teu blog, espero que continues com as boas postagens ;)

Conceição Duarte disse...

Muito legal, vc sumiu!
Aproveito para
convidar vc a ver meu blog, sobretudo as duas última postagens que são divertidas e de certa sacanegem com direito a foto e tudo o mais... rrsrrs Foi um estímulo vindo do Varal de Idéias que postou foto de 1886 de Coubert, mas portugal tirou o livro das mãos das crianças por acreditar que era indecente e pornográfico a arte desta data...

Veja lá que vc vai enteder tudo.

bjus CON

AC Rangel disse...

Ariane, nesta fábula da cigarra e da formiga sai ganhando a poesia. A tua linda poesia. Beijo.

Ariane Rodrigues disse...

Salve, Gabriel! Obrigada por acompanhar o blog! É muito importante receber retorno de pessoas como você, que realmente apreciam poesia. Ahh e o que é singelo e simples também pode ser muito belo! Veja só a Cora Coralina! Penso que a poesia deve sim ser simples _ o que não significa ser simplória. Bjs.

Ariane Rodrigues disse...

Conceição, vou lá conferir sim, afinal sou grande admiradora do Courbet! Será que é "A origem do mundo"? Abraços.

Ariane Rodrigues disse...

Olá AC Rangel! Engraçado que nem pensei nesta fábula, mas parece que todos se remeteram à ela de algum modo. Obrigada! Bjos.

Eduardo Trindade disse...

Quais seriam as ideias semeadas por estes pregoeiros, cigarra e poema, bocarra e travesseiro?
Abraços!

Eliana Mara Chiossi disse...

Estou te devendo mais visitas e comentários.
Tem muita poesia aqui, tem muita beleza aqui.


Beijos

Ariane Rodrigues disse...

Deixo a resposta para ti caro Eduardo...

Ariane Rodrigues disse...

Olá Eliana! Então volte! Bjo