Luto


e o gato preto cruzou a noite parecendo intensificá-la


e a lua com lágrimas de kajal seu rosto borrava


e a rua não me guiava escura em seu asfalto


e eu vagava enquanto um corvo entoava um grito enfático


e as cores das casas combinavam com minha sombra ao lado


...


os olhos dele eram negros


eu luto




"Des pauvres au bord de la mer", Picasso, 1903.


8 sorveram o néctar:

Chica disse...

Profunda, mostrando a dor escura de um momento assim...um beijo,chica

Ariane Rodrigues disse...

Obrigada Chica. Abraço!

Noslen ed azuos disse...

Quantos personagens que dormem no meu dia de Sol, esperando outras poesias noturnas; bela poesia, parabéns.

ns

Ariane Rodrigues disse...

Brigada Noslen. Até mais!

Rômulo disse...

O seu poema me lembrou muito o clima sombrio, mas cheio de vida, dos escritos de Edgar Alan Poe. Gostei da frase: "Eu luto".

um abraço

Ariane Rodrigues disse...

Olá Rômulo! Seja bem vindo! Que bom que remeteu-se ao Poe. Claro que este é um poeminha em relação a sua obra. Fico lisonjeada. Abraço!

KêDy disse...

Luto..lutar...in luto...lutavel..
belo..obscuro mas belo pela linguagem e força literaria exprimida no texto,

DILERMArtins disse...

Mas bah, Mariposa.
Sua poesia, impirou-se...
Pra vc um singelo haikai:


Cedo vem a morte
Luto a dor sepulto
Negra é a sorte