Borboletasso


bor

bo

le

tas

por

dos

os

to

la

dos

com


su

as

fa

tas

ce


fa

zem

do


ven

to


um


Pi

so

cas




"As senhoritas de Avinhão", Picasso, 1907.

17 sorveram o néctar:

james p. disse...

ADOREI.Você tem sempre nos deixado embasbacados com sua poesia.Grande abraço do james.

Ariane Rodrigues disse...

Obrigada James! Outro grande abraço!

Wesley Viana disse...

Borboletas cubistas por todos os lados. E todos os ângulos juntos formam a grandiosidade de sua poesia. bjos.

Compulsão Diária disse...

O concreto voa nas asas da sua verve! Lindo, lindo

Chica disse...

Muito legal essa confusãozinha de letras para lermos um belo texto! um beijo e felizPáscoa,chica

Eduardo Trindade disse...

Bah!
Vou te dizer, dona Borboleta: eu geralmente não gosto muito de poemas que se aproximam do concretismo. Por exemplo, adoro Ferreira Gullar, mas "passo batido" pela fase concreta dele.
Agora, essa tua obra de arte (porque é uma obra de arte) está demais, é leve, doce, não há como não associar o jogo das letras com o próprio voo da borboleta.
Adorei, de verdade!
Abraços e feliz Páscoa!

Ariane Rodrigues disse...

Ahh Wesley, brigada, mas poeta mesmo é você. Beijo.

Ariane Rodrigues disse...

Compulsão, beijos!

Ariane Rodrigues disse...

Feliz Páscoa pra ti também, Chica!

Ariane Rodrigues disse...

Olá Eduardo! Eu tenho mais simpatia pelo estrato fônico da poesia do que pelo visual, mas não descarto a sua importância em tempos carentes de trovadores. Venho aprendendo aos poucos essa técnica, mas confesso sou leiga. Abraço!

Yara Beatrice Jasmin Nin Poulain Black Mamba disse...

os pedaços
dos teus versos
ventos

me voam
ao cubo

Ariane Rodrigues disse...

Muito bacana Yara! Abraço!

J.F. de Souza disse...

vidas
voam
como
pólen

Ariane Rodrigues disse...

Abraço, JF!

Rômulo disse...

É difícil acompanhar o vôo dessa borboleta..rss

um abraço

Isabelle Rabelo disse...

Concretismo? O (sentido) em voo! A inocência de só (uma forma) em Ariane é rasa. > Percebo os dois, há bem mais que letra e lugar.

... disse...

Não sou muito fã de poesia concreta. Seu hermetismo muitas vezes me impede de acessar sua poética. Esse seu, no entanto....esse seu, no entanto....afff! lindo demais!