Talvez

Talvez quando se despirem os homens do saber

E as balas não saírem dos revólveres

Eu possa crescer.

Talvez quando cessem as barbáries dos que agonizam

No cárcere de si mesmos,

Talvez quando a simplicidade ocupe os vãos

E o sonho ambicionado não seja tolo

Quiçá eu sinta o aroma da maturidade

E abandone as amarras desta tenra idade.

Embora esgotada por veemência

Em carregar o fardo de Sísifo

Talvez eu não ame, não odeie, nem vá ao circo,

Talvez eu seja só gravura de adolescência.


2 sorveram o néctar:

Wellington disse...

Como uma personagem diz numa de minhas HQs: "a incerteza é o princípio que rege nossas existências". Estamos sempre a-caminho, inacabados. Somos, como você ilustra tão bem, Ariane, um "Talvez" em buca contínua por definição.

rodriguesmaze disse...

Interessante a existência da dúvida que sempre, como um ser fantasmagórico ronda o nosso ser; talvez um dia saibamos todas as respostas que o talvez nos traz...
pena é que, a certeza sempre será tarde demais...

Amei este talvez... prenúncio ou pósnuncio de tantos outros !